Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘Estudo’ Category

Extraído do Livro: O Que a Biblia não Diz

 

Com uma maldição proferida por Eliseu, 42 rapazinhos foram mortos por duas ursas que saíram do bosque, por causa da maldição. Eles estavam zom-bando de Eliseu, com uma frase chistosa: “Sobe, calvo, sobe, calvo!” (II Reis 2:23). Muitos dizem que Eliseu ficou irritado por ser chamado de “calvo”.

Analisando bem o fato, olhando-o com olhos perscrutadores, poderemos descobrir o verdadeiro motivo pelo qual oprofeta de Deus entendeu, pelo espírito, que havia algo mais sério, de natureza espiritual, naquela zombaria.

Havia pouco, Elias tinha subido ao céu num redemoinho. Eliseu era o sucessor de Elias, a voz de autoridade sobre a terra naquele momento. Enquanto Deus teve um plano especial e glorioso com Elias, de arrebatá-lo sem experimentar a morte humana, física, com Eliseu seu plano foi diferente, pois o profeta morreu de morte natural.

Na zombaria dos rapazinhos, dizendo:

“Sobe, calvo, sobe, calvo!”, estava implícita a sugestão de que Eliseu também deveria subir ao céu. Em outras palavras, aqueles rapazes estavam dizendo:

“Vamos ver, Eliseu, prova que tens o mesmo poder, consagração e autoridade de Elias. Sobe também do modo como ele subiu!”.

Isto, se continuasse, tiraria, diante do povo, a autoridade profética de Eliseu, pois muitos interpretariam da mesma maneira a unção de Eliseu. Sua maldição teve uma razão de ser muito mais profunda do que apenas “vingar-se” de rapazinhos irresponsáveis que o estavam chamando de “careca”.

Read Full Post »

O que é Limbo?

Fonte: http://www.icp.com.br A Igreja Católica descobriu quatro lugares no além: céu, inferno, purgatório e limbo. Restringiremos este comentário ao limbo, objeto do questionamento.

A palavra é oriunda do latim, limbus, cujo significado é “fronteira”. Este lugar foi arquitetado por Roma, a fim de solucionar um problema teológico em que a Bíblia não se expressa abertamente: o destino eterno das crianças que morrem sem adquirir consciência de seus pecados. Segundo o catolicismo, o limbo seria a “fronteira do inferno”, isto é, um lugar preparado para aqueles que não fazem jus ao céu, mas que também não merecem o inferno.

A grande maioria das pessoas que possui alguma noção conceitual deste lugar limita-se a relacioná-lo às crianças. O limbo seria, portanto, o destino das pobres crianças que morrem sem batismo e que, por isso, são classificadas pela igreja romana como pagãs. Entretanto, o entendimento católico deste lugar envolve algo além disso, pois, conforme tal interpretação, há pelo menos dois tipos de limbo:

  • Limbo dos pais: também designado limbus patrum, o que seria equivalente ao “Seio de Abraão” (Lc 16.22). Trata-se de um local no mundo dos mortos (hades) onde habitariam as almas dos justos do Antigo Testamento. Com a morte e ressurreição de Cristo, este local teria sido abolido, devido ao traslado das almas dali para o céu. De certa forma, esta idéia usufrui de algum amparo bíblico e encontra paralelo na interpretação evangélica (guardando as devidas proporções)
  • Limbo dos infantes: também designado limbus infantum. Além das crianças, esse lugar receberia a alma das pessoas mentalmente incompetentes para que possam decidir pela aceitação ou rejeição a Cristo. A idéia reclamada para justificar este local é a de que “almas excepcionais mereceriam lugares excepcionais como destino”.

Jesus, por sua vez, menciona apenas dois caminhos, duas portas, dois fins (Mt 7.13,14; 25.34-46). Não há referências bíblicas além desses dois lugares depois da vida: céu e inferno. Nas línguas originais bíblicas, céu e inferno são chamados da seguinte maneira: Seol, Hades, Geena (Lc 16.19-31; 12.4-5). Devemos, no entanto, nos contentar com isso. Existem algumas correntes teológicas que se esforçam por explicar a fortuna das crianças que falecem antes da idade da razão, porém, esse assunto envolve muitas especulações e já não é alvo do questionamento aqui proposto. Para saber mais sobre o assunto, o leitor deve consultar a edição de nº 39 de Defesa da Fé, que traz a matéria
intitulada “Inferno: é possível crer nesta doutrina em pleno século 21”.

Read Full Post »

Fonte: http://apenas1.wordpress.com/

Escritor rechaça conceitos errados sobre o tema

Como editor de livros cristãos fiquei impressionado ao descobrir em uma pesquisa junto a livrarias evangélicas que um dos três assuntos que mais vendem livros entre a nossa gente é batalha espiritual. Prova de que nós, cristãos, somos absolutamente fascinados por esse assunto. Queremos ver nosso Deus guerreiro arrebentar com o capeta, mandá-lo pro quinto dos infernos a pontapés, sob nossos brados de glória e aleluia. Entendo muito bem do assunto. Fui convertido numa igreja que dava muito valor a isso, onde o diabo era uma figura onipresente nas orações, nos cultos, nas conversas, no dia a dia dos irmãos. Parecia até que ele tinha cadeira cativa na primeira fila. Hoje, tendo lido, vivido e praticado minha fé de forma mais sólida, me atrevo a enxergar aquilo que considero um grande erro no discurso cristão com relação ao Diabo. E é sobre isso que quero conversar com você.
Antes de mais nada, preciso avisar aos adeptos do liberalismo teológico que os respeito mas não concordo com vocês. Acredito sim que Satanás e os demônios são seres pessoais, que atuam sim nas esferas terrena e celestial, militando contra a Igreja de Cristo. Creio em possessão demoníaca e já participei de exorcismos (não televisionados e sem plateia, ressalte-se) em que presenciei situações que ninguém nunca me convencerá terem sido crises de epilepsia. Então sou bem ortodoxo, fundamentalista e bem pouco iluminista quando o assunto é demonologia. Creio que, ao contrário do que defende a Teologia Liberal, Satanás é de fato uma entidade pessoal. Só para você ter uma ideia, há nas escrituras 177 menções ao Diabo em seus vários nomes. Além disso, a Bíblia deixa claro que ele tem intelecto (2 Co 11.3); emoções (Ap 12.17) e também vontade (2 Tm 2.26). Em Mt 25.41 fica claro ainda que ele é moralmente penalizável por seus atos, o que jamais ocorreria se ele fosse apenas uma metáfora ou um símbolo da maldade humana, como advogam alguns. E mais: Satanás é descrito por pronomes pessoais e é fortemente adjetivado no relato bíblico.

Tendo dito isso, vamos ao que interessa: O grande equívoco que nós, cristãos, cometemos, é achar que Deus e o Diabo estão numa batalha espiritual em pé de igualdade. Que a força que Deus tem cá o Diabo tem lá e que as chances de vitória em qualquer batalha espiritual são de 50% a 50%. É essa imagem da queda de braço aí ao lado, onde o Supremo Criador do Universo se vê numa disputa de igual pra igual, em que tudo pode acontecer, em que há isonomia de forças. Nada mais longe da verdade.

DEMÔNIOS APENAS OBEDECEM E IMPLORAM A DEUS

Para começar: Deus é o criador do ser que se tornou Satanás. Ou seja: do mesmo modo que eu e você, como criaturas, dependemos do Senhor para tudo, precisamos de sua autorização para realizar qualquer intento, o líder dos demônios tem de enfrentar a mesma burocracia. Sim, Satanás é obrigado em tudo a dizer a Jeová: “Seja feita a tua vontade, assim na terra como nos céus”. Ele não tem escolha. Pois o Diabo não pode mover uma palha sobre a terra ou nas regiões celestiais sem a autorização expressa de Deus. É como um cachorrinho, esperando que seu dono afrouxe a coleira e ele, assim, consiga avançar contra um dos eleitos do Senhor.

Isso fica claríssimo no livro de Jó. Para tomar qualquer iniciativa Satanás precisa que Deus conceda-lhe o direito. Veja que em Jó 1.12 o Senhor diz a Satanás: “Pois bem, tudo o que ele possui está nas suas mãos; apenas não toque nele”. Ele usa o verbo no imperativo, isto é, trata-se de uma ordem, algo que vem de cima para baixo: “não toque”. Em nenhum momento há uma barganha: há uma concessão.

Depois, na tentação de Jesus no deserto, as palavras de Cristo em Mt 4.10a são absolutamente reveladoras: “Jesus lhe disse: Retire-se, Satanás!”. Perceba o que está acontecendo aqui. Jesus de Nazaré, o Deus encarnado, vira-se para aquele que tantos de nós temem e simplesmente dá-lhe uma ordem. Se Satanás vivesse em pé de igualdade na batalha espiritual, se ele lutasse de igual para igual com Deus, no mínimo ele responderia um “qualé, Jesus, vai encarar? Tá se achando, é?”. Mas não. Sabe o que o Diabo faz quando Jesus diz “retire-se”? Vamos para o versículo seguinte: “Então o Diabo o deixou”. Uau. Que moral. Não houve luta, não houve batalha, não houve barulho. Jesus disse e o Diabo simplesmente e subordinadamente obedeceu. Prova de que o nível de autoridade do Mestre é infinitamente, extraordinariamente, magnificamente, inquestionavelmente superior ao do adversário. Que é adversário nosso, não dEle, como já veremos.

Há ainda outra passagem fantástica que revela essa realidade. Marcos 5 nos conta que ao chegar a Gadara Jesus se depara com um endemoninhado. A história se repete. Quando aquela legião de demônios se vê diante do Rei dos Reis o que ela faz? Guerreia? Peleja? Luta? Enfrenta? Encara? Sai gritando “vamos lá, essa é a chance de derrotar Jesus!”. Nada disso. Ouça bem: “E implorava a Jesus, com insistência, que não os mandasse sair daquela região. Uma grande manada de porcos estava pastando numa colina próxima. Os demônios imploraram a Jesus: ‘Manda-nos para os porcos, para que entremos neles’.” (Mc 5.10-12). O demônios imploraram. Segundo o dicionário, isso significa que eles suplicaram, pediram encarecidamente e humildemente. Isso parece atitude de quem entra numa batalha de igual para igual? E assim é em todas as manifestações demoníacas que a Biblia relata: manda quem pode, obedece quem tem juízo. Ou melhor: quem já é réu de juízo.

SATANÁS NÃO É INIMIGO DE DEUS, MAS DOS HOMENS

Deus é onipotente, isto é, pode tudo. O Diabo é teopotente (com o perdão do neologismo), isto é, só pode o que Deus lhe permite poder. Então, a imagem medieval de Deus guerreando com o Diabo em condições de igualdade é tão esdrúxula como imaginar que um rinoceronte e uma formiga são capazes de competir em igualdade de força, poder e domínio. Apocalipse fala da batalha final de Armagedom. Mas imaginar que essa batalha é como um Fla X Flu, em que tudo pode acontecer, em que há chances de qualquer um ganhar, é uma ideia extremamente infantil. Toda e qualquer luta entre Deus e o Diabo é como um jogo entre a seleção brasileira titular de futebol e o timinho mirim sub-10 do Cáceres Matogrossense (que para quem não sabe é considerado o pior time do Brasil). Chega a ser risível imaginar uma derrota da seleção.

Deus sempre ganha. Sempre. Sempre. Simplesmente porque a grandeza, o poder e a majestade do Ser infinito, eterno, onipotente, inefável, magnífico que é o Senhor do Universo é absolutamente, impensavelmente, descomunalmente superior a toda e qualquer capacidade que esse mísero ser criado, chamado Satanás, possa ter.

Satanás não é inimigo direto de Deus: é uma pedra incômoda no sapato. Uma farpa no dedo. Satanás é sim inimigo dos homens, adversário nosso, pois ele tem a capacidade de nos sugerir que pequemos. Nem nos obrigar ele pode (salvo em caso de possessão). Veja o que ele fez com Adão e Eva: não enfiou o fruto proibido goela abaixo deles, apenas sugeriu, deu ideias. Satanas é um grande sedutor. Nós fazemos e cedemos se quisermos. Repare que o anjo de Apocalipse 22.9 diz a João: “Sou teu conservo”. Analogamente, os anjos caídos estão no mesmo nível hierárquico: co. Ou seja, “correspondente”, “correlato”. Eles estão em pé de igualdade enquanto inimigos dos seres humanos, jamais de Deus. Assim, devemos temer somente e tão somente aquele que pode lançar nossa alma no inferno (Mt 10.28), ou seja: Deus. Acredite: o Diabo não tem nenhuma autoridade para te condenar ao inferno. Isso é entre você e o Todo-Poderoso.

IGREJAS DIABOCÊNTRICAS

Pois bem, uma vez que pomos o Diabo no lugar que lhe é devido, começamos a perceber que ele vem sendo tratado pela Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo de maneira completamente equivocada: com honras e glórias.

“Ahn? Como assim, Zágari, tá maluco?”

Não mesmo. Repare que temos dado tanto destaque ao Diabo em nossas vidas que muitas vezes falamos mais dele do que de Deus em nossas orações e em nossos cultos. É um tal de repreender pra cá, expulsar pra lá, manietar, acorrentar, aprisionar… passamos tanto tempo usando os minutos que deveríamos estar dedicando ao Criador dos Céus e da Terra mencionando o Diabo que acabamos tornando nossos momentos na igreja diabocêntricos. E você consegue perceber o que há de mais grave nisso? Repare que quando pegamos o espaço que deveria ser totalmente devotado a Deus (como nossos cultos, nossos devocionais, nossas orações etc) e o usamos para dar espaço ao Diabo estamos fazendo exatamente o que ele queria e que resultou em sua queda: o pomos no lugar de Deus. Ou seja: quando fazemos de Satanás o centro de nossas atenções ele exulta, pois é exatamente o que queria desde o início: usurpar o lugar do Senhor. Nem que seja nas nossas atenções e em nossos pensamentos.

Cultos são momentos que, como diz o nome, servem para cultuar a Deus. Orações servem para relacionarmo-nos com Deus. Se O removemos desses momentos e pomos o Diabo no Seu lugar, pronto: sem percebermos entronizamos Satanás em nossas atividades, deixando o Senhor em segundo plano. Ah, e isso é tudo o que Maligno sempre quis! Veja: “Você, que dizia no seu coração: ‘Subirei aos céus; erguerei o meu trono acima das estrelas de Deus; eu me assentarei no monte da assembléia, no ponto mais elevado do monte santo. Subirei mais alto que as mais altas nuvens; serei como o Altíssimo’.” (Is 14.13,14).

As nossas orações, então, em vez de representarem momentos de íntimo contato com o Abba, de aproximação com o nosso amado, com aquele que é maravilhoso, em vez de serem oportunidades de nos derramarmos ao Pai nosso que está no Céu, cujo nome é santificado e cujo Reino esperamos ansiosamente… vira um bate-boca com o Diabo e com os demônios. Que desperdício! E isso porque temos a ilusão de que temos de ficar guerreando eternamente contra esse ser que é tão inferior ao nosso amigo Jesus Cristo. Quando na verdade onde a luz brilha as trevas se dissipam.

BATALHA ESPIRITUAL SE GANHA ACENDENDO A LUZ

Quer fazer batalha espiritual? Acenda a luz de Cristo na tua existência. Traga Jesus para o centro de tudo. E ali ele iluminará todos os cantos de sua vida, eliminando todo e qualquer vestígio de trevas. Pronto, a batalha estará vencida. Simples assim. Sem mágicas, sem estratégias, sem abracadabra. Ponha Jesus no centro da tua vida e Ele iluminará teu corpo, alma e espírito. E, com isso, não sobrará espaço absolutamente nenhum para o Diabo agir.

Fico impressionado com grupos que criam “ministérios” onde ensinam sobre mapeamento espiritual, estratégias de guerra e um monte de outras coisas ligadas ao Diabo. Eu mesmo na minha infância de fé participei de alguns, fui a cursos e seminários. Passamos manhãs inteiras discutindo e aprendendo sobre demônios, principados, hierarquias e tantas outras invenções humanas que a Bíblia ignora totalmente. Joguei no lixo manhãs inteiras glorificando o Diabo, tornando-o o centro das atenções, quando poderia estar me devotando ao Cristo que veio à terra para desfazer as obras do maligno (1 Jo 3.8) e que o venceu na Cruz. Aprendi tantas coisas inúteis nesses seminários de batalha espiritual que uma simples leitura bíblica me teria ensinado com muito mais clareza lições infinitamente mais preciosas e eficazes.

Quer saber qual é a forma bíblica de Jesus de lidar com Satanás e os demônios? Pois bem, repare antes de qualquer coisa que é a forma como alguém muito superior trataria alguém infinitamente inferior. Como um leão trataria um rato. Mateus 8.16 diz a respeito de Jesus: “Ao anoitecer foram trazidos a ele muitos endemoninhados, e ele expulsou os espíritos com uma palavra”. Repare, uma única palavra!

Jesus não se rebaixava a ficar conversando com demônios. Com uma única palavra os mandava embora. E isso era corriqueiro. Em Marcos 1, Jesus está numa sinagoga quando “justo naquele momento, na sinagoga, um homem possesso de um espírito imundo gritou: O que queres conosco, Jesus de Nazaré? Vieste para nos destruir? Sei quem tu és: o Santo de Deus”. Repare que o demônio que possuia aquele homem puxou o maior papo com Jesus. Mas sabe o que o Mestre fez? Não deu a menor trela. Tudo o que ele falou, segundo o versiculo 25, foi: “Cale-se e saia dele!”. Que coisa extraordinária! Repare bem: Jesus não permitiu que o demônio abrisse a boca! Mandou-o se calar. E sair. Só. Sem conversa, sem dar importância nem oportunidade de ele falar ou mesmo “ensinar” doutrinas de demônios. O resultado? O texto diz: “O espírito imundo sacudiu o homem violentamente e saiu dele gritando”. “Cale-se e saia dele”…e ele saiu. Uau.

Esse deve ser o nosso procedimento: cala e sai. Só. E sempre. Luz acesa, trevas dissipadas.

É como se Jesus quisesse dizer: “Tá, já tirei o cabelo da sopa, vamos nos banquetear agora?”. Mas tem gente que prefere ficar aos berros: “Tem um cabelo na minha sopa! Tem um cabelo na minha sopa! Tem um cabelo na minha sopa!”. E assim perde o principal. Que é Deus. A Cruz. A vida eterna. A Igreja. A comunhão dos santos. O amor.

VALORIZAR O DIABO EM NOSSAS CELEBRAÇÕES É DESTRONAR DEUS

A Bíblia é sobre Cristo.O Evangelho é sobre Cristo. Nossa vida cristã é sobre Cristo. Batalha espiritual é um assunto secundário. Se houver demônios os expulsamos e acabou. Se você reparar que está gastando muito do seu tempo lendo sobre eles, falando sobre eles e se preocupando com as sujeiras ligadas a eles é sinal que suas prioridades na vida de fé precisam ser reavaliadas. Cristianismo é sobre viver com Cristo e amar o próximo e não sobre ficar gastando horas e horas com demônios.

Deus não está no mesmo nível que o Diabo. Deus está no apartamento de cobertura e o Diabo, no capacho que dá entrada ao saguão do primeiro piso – pela porta dos fundos Temos que tirar da cabeça essa ideia infantil de que eles estão no mesmo nível. Deus é criador. O Diabo é criatura. Deus pode tudo. O Diabo só pode o que lhe é permitido. Deus manda. O Diabo obedece. Deus é vitorioso. O Diabo já perdeu. Deus viverá a eternidade em seu Reino de glória, honra e majestade. O Diabo viverá a eternidade na morte eterna do lago de fogo e enxofre. Deus ama seus filhos. O Diabo perdeu o amor de Deus. Deus merece toda a nossa atenção. O Diabo não merece nem mesmo um post num blog desconhecido como o meu. Logo, como já gastei tempo demais escrevendo sobre essa criatura incômoda que conseguiu fazer com que eu usasse um post do meu blog pra falar dele, nada melhor do que encerrar um artigo sobre o Diabo falando sobre Aquele que de fato merece que falemos dEle: Glória a Deus nas maiores alturas! Hosana ao Filho de Davi! Bendito o que vem em nome do Senhor! Hosana nas alturas! Santo, santo, santo é o Senhor dos exércitos; a terra toda está cheia da sua glória. Santo, santo, santo é o Senhor, o Deus todo-poderoso, que era, que é e que há de vir. (Lc 2.14a; Mt 21.9; Is 6.3; Ap 4.8)

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Read Full Post »

Preletor: Douglas Monaco

Há três estágios dentro da perseguição. Conheça quais são

Em geral, cristãos brasileiros sentem-se inatingíveis quanto a problemas de perseguição religiosa.

Nem sempre foi assim. Os mais velhos afirmam que no início do século XX, pastores eram violentamente discriminados vivendo situações semelhantes àquelas que nossos irmãos enfrentam nos 50 países mais intolerantes ao evangelho.

Hoje porém — e há alguns anos – exceto por alguma zombaria, a situação em nosso país é de tolerância. Graças a Deus, mas será que isso nos permite ficar

despreocupados? Se as reflexões do reverendo Dr Johan Candelin estiverem corretas, a resposta é não. Nossa atitude tem de ser de vigilância.

Dr. Johan Candelin é o chefe da comissão de liberdade religiosa da Aliança Evangélica Mundial. Ele viajou o mundo e estudou o processo de perseguição extensivamente num número de países. Ele concluiu que há um processo em três estágios levando a perseguição e impregnar qualquer sociedade.

1.o primeiro estágio envolve a disseminação da desinformação – primeiramente passiva e depois ativa – sobre o grupo alvo, cristãos ou outros. O mais comum é que comece na mídia, através de artigos impressos, rádio, televisão e outros meios, onde cristãos são lesados em sua reputação e no direito de responder a acusações feitas contra eles.

2.o segundo estágio é a discriminação – primeiro passiva e depois ativa. A opinião pública que resulta do primeiro estágio leva a este estágio onde cristãos são rebaixados a cidadãos de segunda classe com status inferior tanto no âmbito legal como no social, no político e no econômico em relação à maioria das pessoas no país.

3.o terceiro estágio, perseguição – primeiro passiva e depois ativa – é o resultado final. Depois que os primeiros passos tenham sido dados, a perseguição pode ser praticada sem que medidas de prevenção estejam em vigência. A perseguição, como veremos a seguir, origina-se no estado, na polícia – tanto civil como militar – organizações extremistas, grupos paramilitares, sub-culturas anti-cristãs e até representantes de outros grupos religiosos. A ironia está em que, em muitas partes do mundo, as acusações dos agressores transformam as vítimas em vilões.

Se a desinformação sobre qualquer grupo, inclusive cristãos, é disseminada por tempo suficiente, ninguém poderá ajudar quando aquele grupo torna-se discriminado porque o país terá passado por lavagem cerebral. E quando tem lugar a discriminação, ninguém intervém quando aparece a perseguição. Quando se atinge o estágio da perseguição, ninguém reage contra já que, “como se sabe, essa gente não presta mesmo”.

Quando cristãos insistem em basear sua fé e seu estilo de vida na Bíblia e vivem em sociedades em que não há vínculo com Cristo é certeza que enfrentarão perseguição – II Tim 3:12. Mas, o que exatamente quer dizer perseguição? Bem, este é o tema do próximo artigo a ser publicado no site Portas Abertas.

Por enquanto fica o convite à consciência. Exceto para aqueles que a usam para politicagem, a escolha pelo Evangelho não goza de popularidade e atrai a discriminação dos que a rejeitam. Isso vale em qualquer lugar e em qualquer tempo, inclusive o Brasil no século XXI.

Read Full Post »

Em um dia desses, estava com a minha esposa no carro, quando de repente nos vimos parados próximos a um veículo que trazia em sua parte traseira os dizeres: “Total Flex”. Em um daqueles momentos de súbita inspiração, me vi refletindo sobre algo, cujo conteúdo agora você lê.

Em linhas gerais, o que é um Carro Flex? Ora, o nome Flex sugere o conceito de “flexibilidade”, isto é, o Carro Flex é assim chamado, pois o seu motor pode funcionar com gasolina, com álcool ou com os dois combustíveis misturados. Em outras palavras, a idéia do Carro Flex é primar pela economia. Uma vez que ele é bicombustível, se o álcool estiver mais caro, então ponha gasolina no motor. Porém, se a gasolina estiver mais cara, então encha o tanque com álcool. O Carro Flex não exige aquilo que eu chamaria de fidelidade mono-combustível. Nada disso. Muito pelo contrário, ele permite ao seu proprietário que use o combustível que achar melhor e que estiver mais barato.

Todavia, uma questão sempre me intrigou no Carro Flex: “como pode um mesmo motor usar dois combustíveis tão diferentes, ou a mistura dos dois, e isso ao mesmo tempo?” Foi então que descobri o “mistério”: o coração do sistema flex é um software instalado na central de injeção do veículo. Porém, mesmo depois de ter descoberto esse “segredo”, essa pergunta ainda continuou a me deixar intrigado: “como pode um único motor utilizar dois tipos de combustíveis tão diferentes um do outro ao mesmo tempo?”

Confesso que em meio aos meus devaneios, acabei sendo conduzido ao seguinte pensamento teológico paralelo: “como pode um cristão, lavado e remido no sangue de Jesus Cristo, permitir que toda e qualquer mistura de combustíveis possa entrar no tanque do seu coração e da sua mente?”.

Sabemos que a nossa sociedade pós-moderna possui o relativismo como um de seus principais pilares. Porém, não é apenas a “sociedade extra-eclesiástica” que segue o conceito do relativismo. É triste constatar que esse conceito filosófico perigoso também tem se infiltrado em muitas de nossas igrejas, ocasionando o surgimento do personagem não-fictício acima citado: o Crente Total Flex.

Bem, mas como é que nós podemos identificar esse tipo de “crente”. Bem, o Crente Total Flex pode estar mais perto do que você imagina. Aliás, ele pode até ser aquela pessoa que costuma se assentar ao seu lado no banco da igreja. Porém, tome muito cuidado, pois ele pode ser um crente apenas de fachada. Vejamos, segundo a Bíblia, quais são algumas das características principais desse “personagem de nosso mundo folclórico evangélico” que é, na verdade, mais real do que imaginamos:

1) Saudades do Mundo

“4 (…) os filhos de Israel tornaram a chorar, e disseram: Quem nos dará carne a comer? 5 Lembramo-nos dos peixes que no Egito comíamos de graça, e dos pepinos, e dos melões, e dos porros, e das cebolas, e dos alhos” (Nm 11.4b,5).

Uma das primeiras características do Crente Total Flex é essa saudade que ele sente do Egito, mesmo estando se dirigindo rumo à Canaã! Dito de outra forma, esse tipo de crente é aquele que sente saudades do mundo, de seus valores e atrativos, ainda que a sua jornada terrestre tenha o propósito de conduzi-lo ao céu. Ele é flexível para com os valores do mundo. “O mundo não é tão ruim assim”, ele pensa. Ele se comporta como o tal do “Crente Raimundo” (com respeito àqueles que nos lêem e têm esse nome), isto é, ele “tem um pé na igreja e o outro no mundo”. Na mente de tais pessoas, não há incompatibilidade entre ser cristão e amar o mundo ao mesmo tempo (cf. 1 Jo 2.15-17).

2) Fé Dividida

“Então Elias se chegou a todo o povo e disse: Até quando coxeareis entre dois pensamentos? Se o Senhor é Deus, seguí-o; e se Baal, seguí-o. Porém, o povo lhe não respondeu nada” (1 Rs 18.21).

O Crente Total Flex também é, digamos, flexível quanto ao objeto de sua fé. Ele crê em Deus, mas não descarta a hipótese de poder receber a ajuda de alguma outra suposta divindade. Como ele é diplomata, então, a fim de agradar a todos, ele acaba “acendendo uma vela pra Deus e a outra para o diabo”. Ele é daqueles que praticam a “política da boa vizinhança”, pois quer se dar bem com todo mundo. Porém, ele se esquece das palavras de Jesus: “ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a mamom” (Mt 6.24). Perceba que esse crente flex não pode receber Deus e mamom ao mesmo tempo no “tanque” do seu coração. Ou é um ou é o outro. Não há lugar para uma mentalidade do tipo “pizza meio-a-meio” no Evangelho. Vale lembrar aqui as palavras do salmista, que disse: “Aborreço a duplicidade, mas amo a tua lei” (Sl 119.113).

3) Desonestidade nos Negócios

“Duas espécies de peso, e duas espécies de medida, são abominação para o Senhor, tanto uma coisa como outra” (Pv 20.10; cf. também: Pv 11.1; 16.11; 20.23).

A honestidade deve ser um traço essencial à vida de todo e qualquer cristão. Isto significa que ao cristão que se comporta bem na igreja, exige-se que tal comportamento também seja praticado em seu trabalho e em seus negócios de uma forma geral. Porém, o lema do Crente Total Flex é: “Igreja, Igreja, negócios à parte”. Ele acredita que “fé e negócios não se misturam” e, por isso, sempre que é possível, arruma um jeitinho de levar vantagem sobre os outros e de passá-los para trás.

4) Linguajar Comprometido

“9 Com ela [a língua] bendizemos a Deus e Pai, e com ela amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus. 10 De uma mesma boca procede bênção e maldição. Meus irmãos, não convém que isto se faça assim. 11 Porventura deita alguma fonte de um mesmo manancial água doce e água amargosa? 12 Meus irmãos, pode também a figueira produzir azeitonas, ou a videira figos? Assim, tão pouco pode uma fonte dar água salgada e doce” (Tg 3.9-12).

O Crente Total Flex, à semelhança do carro bicombustível, é bilíngüe. Ora ele fala o idioma do céu, ora pronuncia o dialeto da terra. Às vezes você o encontra glorificando a Deus e, às vezes, você o vê falando mal do pastor, da igreja e dos demais irmãos. Ele aceita facilmente que essa mistura de “combustíveis” (o celestial e o terreno) abasteça o “tanque” de sua mente e, conseqüentemente, dê a “ignição” em sua boca. Ele acha normal o crente falar certas “verdades” de vez em quando e, portanto, devido a esta sua comunicação flexível, ele sempre diz aquilo que sente vontade de dizer, sem se preocupar se isso é agradável a Deus ou se fere ao seu próximo.

5a) Pensamentos Divididos

“O homem de coração dobre é inconstante em todos os seus caminhos” (Tg 1.8)

“Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós. Alimpai as mãos, pecadores; e vós de duplo ânimo, purificai os corações” (Tg 4.8).

Aqui em Tiago, as palavras usadas respectivamente para “coração dobre” (1.8) e “duplo ânimo” (4.8) são exatamente as mesmas. Trata-se da palavra grega dipsychos que, entre outras coisas, significa: “alma dividida, mente dividida”. Tal vocábulo parece fazer referência à “mente que está dividida entre a fé e o mundo, entre as coisas de Deus e as coisas dos homens”. O Crente Total Flex possui tal tipo de mentalidade dividida. Tais crentes indecisos não levam a sério os conselhos do apóstolo Paulo, nos quais ele diz: “Pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra” (Cl 3.2), e ainda: “Quanto ao mais, irmãos, tudo aquilo que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai” (Fp 4.8).

6) Meia-Temperatura

“15Eu sei as tuas obras, que nem és frio nem quente: oxalá foras frio ou quente! 16Assim, porque és morno, e não és nem frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca” (Ap 3.15,16).

O Crente Total Flex é aquele que “não é oito e nem oitenta”” nas questões relacionadas à vida cristã. Aqui no texto de Apocalipse há um contraste muito interessante. O texto faz um contraste entre as águas quentes e, portanto, medicinais de Hierápolis e as águas frias e puras de Colossos. As primeiras possuíam propriedades medicinais e as últimas serviam para dar um alívio ao cansaço. Sendo assim, a igreja de Laodicéia era uma igreja “em cima do muro”. Ela nem proporcionava cura ao doente espiritual e nem trazia refrigério ao que estava espiritualmente cansado. Com o perdão da palavra, era uma igreja “meia-boca”. Os crentes laodicenses não eram nem fervorosos e nem frios na vida cristã. Eles simplesmente viviam um “cristianismo” apagado, apático, enfadonho e medíocre. Essa “mornidão espiritual” também é um dos traços marcantes na vida do Crente Total Flex. Ele não vive a vida cristã, mas apenas a “empurra com a barriga”. Logo, se decidir permanecer deliberadamente nesse estado, o destino de tal pessoa será ser lançado “para fora do corpo” (“vomitar-te-ei da minha boca”, Ap 3.16).

Conclusão

A fim de concluir o meu pensamento, eu gostaria de dizer que não deve haver lugar no “tanque” do coração do cristão para quaisquer tipos de “substâncias”. Não podemos aceitar que o nosso “motor” seja “abastecido” com todos os tipos de “combustível”. Não há lugar para duplos pensamentos, duplas crenças, duplas doutrinas, duplas esperanças, duplas salvações, duplas vocações, duplos batismos etc, pois o nosso coração não é “bicombustível” como o Carro Total Flex é. Muito pelo contrário, o nosso coração é “mono-combustível”, pois, segundo as Escrituras: “Há um só corpo e um só Espírito, como também fostes chamados em uma só esperança da vossa vocação; Um só Senhor, uma só fé, um só batismo; Um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, e por todos e em todos” (Ef 4.4-6).

Fique de olho no tipo de “combustível” que querem pôr no seu “motor”!

Autor: Carlos Augusto Vailatti
Fonte: MidiaGospel

Read Full Post »

Convertido ou convencido!

Restitui-me a alegria da tua salvação, e sustenta-me com um espírito voluntário. Então ensinarei aos transgressores os teus caminhos, e os pecadores se converterão a ti. Salmo 51:12-13.
Certa ocasião uma pessoa me indagou: Será que somos hoje uma igreja de convertidos ou de convencidos? Não é fácil identificar formalmente o convertido do convencido. Há uma grande dificuldade em perceber o perfil correto de um convertido, em face, muitas vezes, da conduta exemplar do convencido. Com freqüência enfrentamos uma séria barreira na (mais…)

Read Full Post »

“Porque, se viverdes segundo a carne, morreireis; mas, se pelo Espiríto mortificardes as obras do corpo, vivereis”  (Rm 8.13).

O primeiro baile de carnaval realizado no Brasil ocorreu em 22 de janeiro de 1841, na cidade do Rio de Janeiro, no Hotel Itália, localizado no antigo Largo do Rócio, hoje Praça Tiradentes, por iniciativa de seus propietários, italianos empolgados com o sucesso dos grandes bailes mascarados da Europa. Essa iniciativa agradou tanto que muitos bailes o seguiram. Entretanto, em 1834, o gosto pelas máscaras já era acentuado no país por causa da influência francesa.

Ao contrário do que se imagina, a origem do carnaval brasileiro é totalmente européia, (mais…)

Read Full Post »

Older Posts »

%d bloggers like this: